27 de mai de 2011

Sapatos II - Salto Alto


Um sapato de salto-alto deixa qualquer mulher louca. Não os usamos para os homens, usamos para nós mesmas. Fazem com que nos sintamos além de altas, belas, magras (sim salto "emagrece" pois da a impressão de que as pernas são longas) e poderosas... verdadeiras deusas!

Mas você sabia, que no início, a altura dos sapatos tinha esse exato propósito? A divinização dos faraós, suas consortes e sacerdotes já acontecia a mais ou menos 4000 aC. As peças eram feitas em couro flexível e várias foram encontradas em murais, templos e túmulos.


Os sapatos altos também foram tomados pelo teatro greco-romano a aproximadamente 200aC. Os "kothorni" feitos com madeira ou cortiça serviam para deixar os atores mais atrativos nas apresentações de arena.

Essa função de dar notabilidade a quem usa saltos fica mais evidente à partir do século XII. Henrique II, rei da Inglaterra popularizou os saltos de bico fino. Reza a lenda que Henrique tinha os dedos dos pés deformados, por isso a preferência pelos saltos de bico fino.

Nessa época, sapatos eram classificadores sociais e quanto mais altos e finos, mais rico e importante devia ser quem os usava. E já foram motivo de intriga e desavença! Em Paris, no ano de 1215 uma lei proibiu os professores universitários de usarem os saltos de bico-fino. Quem foram os invejosos? A nobreza, que não tolerava estarem à mesma "altura" que meros professores. 

E assim os saltos foram aumentando e para todos os tipos de sapato. No final do século XIV e início do XV, a moda entre Reis, príncipes e cavaleiros eram as botas com salto. É nesse momento também que os sapatos começam a ser feitos em duas partes. Isso levou à introdução de um calcanhar, que eram feitos para fixar melhor o cavaleiro no estribo. 

Ainda no século XV uma lei promulgada pelo parlamento inglês condenava mulheres que usassem sapatos de salto para seduzir um homem ao casamento. Eram castigadas com as penas da bruxaria.

No século XVI, Mary Tudor usava saltos altos sempre que possível. A partir desse período os saltos são mais frequentes para ambos os sexos.

Seguindo em frente nos séculos, o XVII deixou sua marca por verdadeiramente popularizar os saltos. A corte de Louis XIV, da França,  abusava de todos os tipos de acessório: de perucas a saltos altos. Registros históricos destacam que Louis XIV não tinha mais que 1,60 metro, por isso adorava os sapatos que aumentavam sua estatura.

No reinado de Louis XV (sucessor de Louis XIV) os saltos altos fizeram tanto sucesso que o nome do monarca foi dado a um tipo deles, que eram largos na ponta e na base, afinando no meio, semelhantes ao formato da ampulheta. 

A Revolução Industrial, que começaria à partir de meados do século XVIII, levaria os sapatos a outro nível. Máquinas foram criadas para facilitar sua costura e modelagem.  

Dos séculos XIX ao XX o crescimento dos saltos altos é vertiginoso. A indústria calçadista fomenta o consumo através da renovação constante dos modelos. 

Por volta da década de 1950 surgem os "stilettos" na Itália. Arrasador, tornou-se moda instantaneamente. Já em 1970 os saltos de plataforma invadiram as passarelas e posteriormente as ruas. A partir de 1980 as mulheres assumem de vez os saltos, usando-os inclusive para trabalhar.

Hoje, o sapato não mais representam a nobreza e sim remetem à sensualidade feminina. Estudos mostram que os saltos altos são dos elementos que mais despertam a libido e o fetiche dos homens... Então retiro o que disse... usamos sapatos de salto para nós mesmas, mas para atiçar os homens também! Uhuuuu!

Um comentário:

Janaína Santos disse...

Muito bom o post sobre salto alto!!!
Gostei muito!!!
Bjs